Search
Close this search box.

Armadilhas para o Aedes serão espalhadas pelo Brasil

WhatsApp
Facebook
LinkedIn
Twitter
Telegram

As armadilhas também viraram política nacional no país

O Ministério da Saúde divulgou uma nota esclarecendo a ampliação de uma estratégia criada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) ao combate ao mosquito Aedes aegypti. Espera-se que a transformação da medida em política nacional possa contribuir para a redução do inseto.

Esta estratégia envolve as chamadas estações disseminadoras de larvicidas (EDLs). Trata-se de recipientes com dois litros de água parada, distribuídos em locais de alta proliferação de mosquitos.

Dessa forma, as fêmeas atraem-se pela água parada para depositar seus ovos. Porém, antes mesmo de chegar na água, os mosquitos são surpreendidos com um tecido sintético que recobre o recipiente.

Este tecido está impregnado do larvicida piriproxifeno, que acaba aderindo no corpo das fêmeas. Assim, elas levarão os larvicidas para outros recipientes criadouros, afetando no desenvolvimento dos ovos e das larvas.

A ampliação desta estratégia pelo país deve acontecer de forma gradual, levando em conta a capacidade dos envolvidos nas três esferas: nacional, estadual e municipal.

Inicialmente, este projeto contempla apenas 15 cidades, cuja escolha aconteceu com base em alguns critérios:

  • População superior à 100 mil habitantes;
  • Alta notificação de casos de dengue, chikungunya e zika nos dois últimos anos;
  • Alta infestação por Aedes aegypti;
  • Disponibilidade de equipe técnica operacional de campo.

Foto destaque: Reprodução/Pixabay

Para mais notícias clique aqui e também nos siga nas redes sociais @maisvipoficial

COMPARTILHE: