Search
Close this search box.

Pilotos iniciam greve, mas voos de Confins não foram impactados até o momento

Pilotos iniciam greve, mas voos de Confins não foram impactados até o momento
Pilotos e comissários estavam reunidos próximo à entrada do embarque doméstico, em Confins — Foto: Videopress Produtora
WhatsApp
Facebook
LinkedIn
Twitter
Telegram

Mas situação pode mudar porque houve maior adesão à paralisação nos aeroportos de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro

Pilotos e comissários das companhias aéreas brasileiras iniciaram uma paralisação no início da manhã desta segunda-feira (19), mas isso praticamente não afetou as decolagens no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins.

Apenas uma partida estava atrasada entre as previsões do terminal. O voo da Latam 3059, com destino a Congonhas, em São Paulo, deveria ter saído às 7h55, mas só deve sair às 9h45.

Mas a situação no principal aeroporto de Minas pode mudar, já que houve maior adesão à greve dos aeronautas em outros terminais importantes do Brasil, como das cidades de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Ou seja, nem todas as chegadas podem acontecer dentro da previsão nas próximas horas. Nesta segunda-feira, três chegadas de Congonhas, em São Paulo, estavam atrasadas.

Segundo a GRU Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, dez voos foram afetados pela greve dos aeronautas. Nos aeroportos de Galeão e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, alguns voos chegaram a ser suspensos.

Profissionais querem recomposição salarial

De acordo com Ronie Gaião, diretor de regulamentação e convenções coletivas do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), os profissionais pedem recomposição salarial e que acabe a “invasão” das folgas, ou seja, que as empresas não cancelem os descansos previamente programados.

“As empresas estão conseguindo lucros superiores ao período pré-pandemia. Elas têm mostrado nos relatórios para os investidores que o preço médio da tarifa é o maior da história, que nunca tiveram tanto lucro. É justo que a gente seja reconhecido financeiramente, até porque na pandemia muitos de nós tiveram os salários reduzidos”, afirma.

O SNa afirma que a greve da categoria acontece entre 6h e 8h, que poderá se repetir por prazo indeterminado. Segundo a entidade, serão atrasadas as decolagens de voos de alguns dos aeroportos de São Paulo, Rio de Janeiro, Campinas, Porto Alegre, Brasília, Belo Horizonte e Fortaleza.

O sindicato informa que vai cumprir a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que, na sexta-feira (16), determinou que 90% dos pilotos e comissários mantenham suas atividades durante o período da paralisação.

A ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, do TST, também impôs multa de R$ 200 mil caso o SNA não cumpra a determinação. A decisão atendeu parcialmente o pedido feito pelo Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA), que solicitava o cancelamento total da greve, em detrimento da decisão pela paralisação, e multa de R$ 500 mil por dia.

De acordo com a magistrada, a greve tem aptidão para gerar graves impactos na sociedade, notadamente por ser aprovada em período de aumento da demanda no setor de transporte coletivo aéreo.

 

 

Para mais notícias clique aqui. Nos siga nas redes sociais! @maisvipoficial

Fonte: Cinthya Oliveira / Estadão Conteúdo

COMPARTILHE:

publicidade