Um lavrador de 40 anos foi preso suspeito de torturar dois cachorros em Inhapim, no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito, na companhia de amigos, realizou a castração dos animais sem utilizar medicação e anestesia.

Além de realizar o procedimento de forma inadequada, os cachorros eram agredidos e arrastados no chão tendo a cabeça tampada por um saco plástico. O suspeito foi localizado e preso por meio de um vídeo que circulou nas redes sociais.

Nas imagens, sete homens aparecem reunidos. Alguns deles seguram um cachorro, enquanto o suspeito usa um canivete para castrar o animal de forma inadequada, deixando-o mutilado.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=YXh6uN0l0G8?rel=0&controls=0&wmode=transparent]

Uma testemunha contou ao Ministério Público (MP) que esta não era a primeira vez que o grupo torturava animais na região. Em 2016 o mesmo ato foi praticado por eles. Por conta disso, uma ação conjunta entre Polícia Civil, Polícia Militar e o MP decidiu que os suspeitos deveriam ser presos em flagrante, pois eles faziam parte de uma associação criminosa.

No Córrego do Valão, local onde o suspeito foi preso, a PM encontrou dois cães que tinham sofrido tortura. Os animais apresentavam feridas pelo corpo e ficavam com medo quando alguém se aproximava deles.

O homem confessou que cometeu o crime e disse que não aguentava mais os animais. Isso porque os cães estavam os incomodando durante uma confraternização. A ideia, segundo o homem, veio de outra pessoa que estava presente, mas quem praticou a ação foi ele.

Os animais foram examinados por uma médica veterinária e entregues aos proprietários e seguem sendo medicados.

O lavrador foi levado para a Delegacia de Plantão em Caratinga, onde foi preso em flagrante pelos crimes de associação criminosa, maus-tratos a animais e incitação criminosa, e será encaminhado ao Sistema Prisional. À Polícia Civil, ele disse que só teria castrado um animal e que estava alcoolizado. As investigações seguem com o intuito de colher depoimentos de testemunhas e localizar outras seis pessoas que estariam envolvidas.

FONTE: Polícia Civil

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite o seu comentário!
Digite o seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.